segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Praça da Liberdade

Todos os dias que venho para o trabalho, eu ando um pedaço do percurso apé
e tenho que passar por um lugar chamado mentalmente por mim de " limbo de bh"
é só eu pisar na calçada que eu viajo. Pra longe, muito longe...
Eu posso acorda péssima, passar muita raiva no trânsito mas lá parece um portal. Parece uma capsula do tempo ou melhor parece uma capsula isolada do restante da cidade.
Vindo de onde venho a Av. João Pinheiro, a primeira coisa que me deparo são com os coqueiros, ou seria palmeiras?  Não sei, mas nessa altura do campeonato já nem me importo...só sei que elas formam uma sequência, estão em filas, uma distante da outra em simetria perfeita, de uma lado e de outro e para me agradar ainda mais no meio, tem uma espécie de rua calçada que me remete a entrada de uma fazenda, e nessa estrada ainda pela manhã crianças brincam alegres o jogo que eu mais joguei na infância, e isso me espalha em lembranças e saudades.
Ando como se flutuasse, e para ver beleza no belo á de se contentar o feio, e vejo por dentro da capsula que os mais necessitados também sabem entrar transe e vejo um mendigo se esticando todo para ver um pássaro que possivelmente construía um ninho. Alí naquele momento nenhum fato social nos distanciava.
Dei alguns passos, visualizando as plantinhas que ainda estavam a brotar como crianças que se inciavam e davam" bom dia a vida". Um cheiro de terra molhada ultrapassava minhas narinas ao ponto de fazer meus lábios sorrirem de tanto prazer, uma mulher, um cachorro, passos rápidos.
Contornei o coreto, e como sempre imaginei senhoras de outras décadas com seus leques e vestidos longos esperando cortejo de rapazes usando como desculpa alguma apresentação musical.
A praça foi feita para abrigar a sede do poder mineiro mas no fundo abriga apenas o poder de mudar o dia de quem passa por ela.
Como um ritual, levanto a cabeça para contemplar o Edíficil Niemeyer, e também como um mantra eu repito " Canalha esse Niemeyer, essa ideia tinha que ser minha" e sorrio por dentro sabendo que com certeza se eu o conhecesse pessoalmente ele só iria tragar o cigarro e dizer : "Sou mesmo! Bem canalha botei as curvas das mulheres/montanhas em um prédio !" 
Ahhh Niemayer como eu queria ter sido intima de vc !! Acho que me divertiria tanto com o seu charme de velhinho que não envelheceu. Agora ta lá fazendo suas obras de arte no céu.
E assim caminho e passo pelo melhor lugar o canteiro de margaridas saltitantes e felizes entre o branco e o amarelo e suas pétalas animadas sempre abertas. Ah como eu amo essas serelepes.
E como me deixa nervosa ver pessoas despetalando as coitadas em um jogo bobo ao qual se pronuncia bem-me -quer, mal-me-quer... e minha vontade que ainda irei concretizar é fazer uma plaquinha escrevendo:
BEM ME QUER- MAL ME QUER? EU NÃO QUERO!
 Desenhada uma margarida triste . Não despedace as flores,pois elas não garantem amores !
 E assim passo lembrando do meu plano de mandar fazer a placa, me distraio o cabelo esvoaça o sinal chega e atravesso e assim como fecho um portal volto para a realidade mas um pouco mais contente em saber que existem limbos e que a liberdade ... Ah a Liberdade existe !!!





4 comentários:

  1. Por um instante estive neste lugar, que lindo!!!!

    ResponderExcluir
  2. Realmente 'e muito lindo.
    Boa semana minha amiga.
    Bjkssss

    ResponderExcluir
  3. que lugar lindo!
    Uma linda semana pra vc...
    Bjks
    Blog da Biane

    ResponderExcluir
  4. Nossa Uda viajei agora, vc é uma poetisa menina. Que bom que ainda existe pessoas que contemplam o belo, em meio a essa correria da vida. beijos.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...